agosto 18, 2009

Um nebulizador.

Toda casa que tem criança tem um aparelho nebulizador. Se não tem, vai ter. Inverno chegando ou indo embora, temperatura variando mais do que muitos corações inquietos, não tem jeito. Ele entra em cena. O nebulizador. Com a frequência do uso, esse ano foi necessário substituí-lo. O nebulizador que acalmava (ou pelo menos tentava) acalmar a Laura há sete anos e a Elisa há três nos previsíveis ataques de alergia do inverno vinha fazendo um barulho enlouquecedor e a TV, que se mostra uma aliada e tanto nos minutos de quase-paralização, sequer podia ser ouvida em volume alto.

Trocamos. O nebulizador agora é mais moderno, segundo o fabricante, é "ultra-sônico" e permite até mesmo que se faça a bendita nebulização com a criança deitada. Quase nenhum barulho, muito mais conforto.

Mas, ainda assim, entra em cena a Laura e sua sensibilidade. Um acontecimento simples do cotidiano se transforma em uma lição de amor e emoção quando nos permitimos chegar mais perto das pessoas e das coisas. "Sabe, mãe, criança às vezes tem uma imaginação que não se segura. Você acredita que eu estou olhando para o nebulizador velho ali em cima do armário e estou com pena dele? Ele parece estar triste...Parece que foi rejeitado. O que eu faço, mãe?"

"Filha, ele é apenas um objeto que precisou ser substituído. Cada coisa tem seu tempo...Precisamos ter sim esse sentimento, mas principalmente com relação às pessoas, que muitas vezes são substituídas ou rejeitadas como esse nebulizador, mas a diferença é que, assim como você, elas têm sentimentos..."

Pois é, filha, eu torço para que não sejam só as crianças que não consigam segurar a sua imaginação. Torço para que possamos enxergar tudo, sempre, com essa sensibilidade e essa preocupação. Talvez as coisas fiquem mais simples e, quem sabe até, seja possível dar vida às coisas mais simples...

14 comentários:

Joaninha Bacana disse...

Ohhh, que comentário mais fofo o da Laura!!! Mostra muita sensibilidade mesmo, Rê! Que fofucha!!!
Beijos pra voces,
Angie

Fiona de Bourbon disse...


teu blog ficou lindooooooo! Tirei ferias e so estou retornando agora. Preciso atualizar minhas leituras pela blogosfera...

beijooo

Claudia Pimenta disse...

oi renata! que linda a preocupação da laura! se todos tivessem um pouquinho da sensibilidade dela... bjs, querida!!!

Lúcia disse...

Aiii que lindaaa!! Obrifada por compartilhar! bjins

Lily Zemuner disse...

Que bonitinha essa história! Ah, se a gente conservasse a sensibilidade das crianças... tenho certeza que viveríamos em um mundo melhor.

B-joca, querida.

Bel disse...

Oi Rê ... depois de um longo período de correria eu volto pra te ver ... volto pra te dar um beijo estalado, volto pra te dizer o quanto teu carinho me aconchega. E ... paro pra ti ler e vejo esse texto lindo, esse afeto da tua linda Laura ... essa tua sensibilidade que com certeza é hereditária.
Que delícia!
Bel

Eneida disse...

Criança tem disso mesmo!
Eu me lembro que ficava com muita pena dos brinquedos com os quais não brincava muito!
Aí, pegava e os colocava na roda, se eram bichinhos ou bonecas, até me explicava!
Uma fofa a Laura, e de uma sensibilidade muito grande!
Beijos!

Monica Loureiro disse...

Que lindo !
Parece historinha...
Adorei !
É uma metáfora bem bacana...

Stephany disse...

Quantos anos tem a Laura? 20? rs brincadeirinha! me encantei com a frase dela e sua sensibilidade!
eu já providenciei um nebulizador aqui em casa tb, pra qdo a Luiza chegar! Não faz NENHUM barulho, adorei!
saudades de ler vc!
beijos Stéphany

Monique Lôbo disse...

Oi Rê!
Nossa que fofa a sua Laura!
O pior é que eu, no "alto" dos meus vinte anos (me sentindo a própria ansiã! kkk) ainda tenho esse sentimento de pena ao me desvazer de algum objeto. Sempre fico com uma dorzinha no coração, sei lá, é meio bobo mas eu demoro a me desfazer das coisas. É sempre uma confusão aqui em casa, minha mãe, minha irmã ficam reclamando porque eu fico guardando tudo, mas é que sei lá, me apego as coisas e fico triste de ter que "deixa-las ir". rsrsrs!!

P.S.: Adorei o visu novo, lindo, lindo!!
P.S.²: Tenho certeza que a Laura vai amar Salvador, não porque sou daqui, mas a cidade é bem bonita (apesar de esquecida pelos gosvernantes. ¬¬), não fica com medo não, o Cirque é um espetaculo lindo (eu ainda não vi, mas quero muito ver, li o livro e fiquei doida pra assistir o espetaculo!), e tenho certeza que ela vai adorar a experiencia soteropolitana! kkk
Pode ficar sossegada! =)
Quero dizer, pode tentar ficar sossegada, imagino como deve ser pra você ver a Laura viajando sem você pela primeira vez. Essas mães corujas sofrem, neh! =)
Ah, na próxima você vem junto, tah!! Me visitar!

Bjãoo

vida cotidiana disse...

Muito legal sua reflexão. É verdade com a vida, esquecemos da fantasia que devemos viver, para tornar as coisas mais prazerosas

Fiona de Bourbon disse...

Passei quase minha vida toda dependente de nebulizador. Só de ouvir falar tenho arrepios, rsrsrs. Traumas de uma ex-asmatica.

beijooo
PS: não canso de olhar a lindeza que ficou teu blog com esse layout.

Lúcia disse...

Esse lay ficou tão lindinho, dá gosto voltar aqui! bjins

Nina disse...

Iiihhh me fez lembrar qd meus filhos eram pequenininhos, nebulizador semrpe presente :)

ei cade tu mulher???